Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘programa saúde da família’

A ausência do atendimento de saúde específico para a mulher

“Na questão da saúde da mulher não há uma comissão ou discussão dentro do Conselho de Saúde”, explica a segunda secretária do Conselho, Juliana Maciel. Segundo ela, isso é reflexo da ausência de ações da prefeitura voltadas para a saúde integral da mulher. “O problema é o foco no corte de verbas nos casos de prevenção ou projetos informativos e educacionais. A saúde feminina não é apenas para a gestante”, complementa.

Entretanto, ao conversar sobre a saúde da mulher com dois representantes da Secretaria Municipal de Saúde, ambos mencionaram apenas projetos para as gestantes.

Antônio Arinaldo Lopes da Silva, gerente do Programa de Saúde da Família, relacionou a questão da saúde específica ao projeto “Mãe Pontagrossense” – que ainda está sendo implantado na cidade. “Nos postos, existem atividades específicas para os idosos e para as gestantes. No Centro Municipal da Mulher, também há o atendimento às gestantes. A saúde como um todo é para todas as pessoas: homens, crianças, mulheres, idosos. Não existe hoje especialidade da mulher como gênero”, afirma.

Cléo Smiguel, diretora de Atenção Básica, ao ser questionada sobre programas da saúde da mulher respondeu: “Nós trabalhamos apenas com as gestantes. Nós temos um programa específico pra gestante na Estratégia de Saúde da Família. Nós temos semanalmente a reunião com as gestantes, onde ocorre todo o acompanhamento delas na unidade. Não só de saúde, mas também o acompanhamento psicológico, que é um trabalho voltado para a mãe e o bebê, mas isso é pra gestante em si”. (Confira o restante da entrevista aqui).

O Portal da Saúde do Governo Federal, porém, apresenta planos nacionais que incluem: mulheres negras e indígenas, lésbicas e bissexuais, mulheres com AIDS, saúde das adolescentes e a violência doméstica e sexual da mulher – todas são questões que vão além da mulher gestante ou do planejamento familiar.

No PSF do Esplanada, a única atividade para as mulheres é feita para as gestantes

Para a professora de Maria Iolanda de Oliveira, do curso de Serviço Social da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e do Núcleo de Estudos da Violência Contra a Mulher (NevicomPG), a questão da violência é mais relacionada ao papel da assistente social. “É um problema bem maior que isso e há relação com a saúde, mas como o campo é bem amplo, alguns pontos são deixados de lado”, explica. Maria Iolanda exemplifica também a questão do esporte, que está relacionada à qualidade e à saúde diretamente, mas pouco se vê falar disso nas unidades de saúde.

Carlos Henrique Ferreira Camargo, professor de Bioética do curso de Medicina da UEPG, acredita que esse é mais um conceito que está mudando. “Com o nível de especialização dos profissionais, houve uma tendência para se concentrar apenas nos sintomas e suas causas, ao invés de todo o contexto”, afirma. Segundo ele, essa é uma falha que já foi percebida e está sendo mudada aos poucos nas instituições de ensino. “A visão de que a saúde da mulher se concentra apenas no reprodutivo hoje em dia é muito menor. A maior dificuldade está em colocar em prática ações gerais do governo federal para a realidade local”, finaliza.

Juliana Maciel explica como a ausência da especificidade de gênero prejudica o atendimento na cidade

Antônio Arinaldo Lopes da Silva afirma que a prefeitura não possui programas específicos para a mulher

Leia aqui a cartilha completa do Governo Federal explicando as diretrizes para o Plano Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher.

Entrevista: Cléo Smiguel

Cléo Smiguel, Diretora da Atenção Básica da Prefeitura, afirma que apenas o trabalho direto com a comunidade resulta na educação sobre a saúde

Cléo Smiguel, diretora de Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde de Ponta Grossa, concedeu uma entrevista para dar mais detalhes sobre as atuais ações da prefeitura relacionadas ao Programa de Saúde da Família e o trabalho das Agentes Comunitárias de Saúde (ACS), a superlotação no Esplanada e o atendimento à mulher com o foco da humanização. Leia mais

Na fila com as usuárias do Esplanada

Cerca de 40 pessoas já esperavam às 12 horas para a abertura do posto às 13 horas

Assim como cada caso é um caso, cada paciente tem uma relação diferente com o posto do bairro Esplanada. A enfermeira da unidade, Samuara Hassan, afirma que apesar dos problemas técnicos e de contratação de pessoal, o atendimento está muito melhor do que há seis meses. Leia mais

Superlotação no PSF do Esplanada

Para conseguir marcar horário às 13 horas, algumas pessoas chegam às 11 horas da manhã

O posto do Programa de Saúde da Família (PSF) José da Silva Ribeiro, localizado no bairro Esplanada, possui uma rotina de atendimentos mais movimentada do que no Santa Lúcia. “É o postinho com maior número de pacientes da cidade, pois cobrimos uma área maior do que deveríamos atender”, explica a enfermeira Samuara Hassan, que trabalha no PSF há um ano e três meses. Leia mais

O trabalho das Agentes Comunitárias de Saúde no Esplanada

Em um dos acompanhamentos domiciliares, Rosana agenda a visita do médico

No posto de saúde José da Silva Ribeiro, localizado no bairro Esplanada, existem duas equipes do Programa de Saúde da Família (PSF). A equipe é responsável pelo atendimento de até 4.500 pessoas, mas a região não possui o número proporcional de equipes para os 19 mil moradores da área. Leia mais

A importância da humanização no atendimento

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a humanização da saúde está ligada à atenção básica como prioridade e o envolvimento dos profissionais no contexto local, bem como nas atividades sociais de uma comunidade. É a partir da proximidade que se pode compreender as exigências e necessidades específicas de um bairro, por exemplo.

Para o Ministério da Saúde, a Política Nacional de Humanização (PNH) possui como suporte a ética, a consideração com a subjetividade dos indivíduos e a política organizacional do sistema. Na prática, a implementação da humanização é mais difícil, envolvendo questões enraizadas na rotina do atendimento.

A professora de Serviço Social da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Maria Iolanda de Oliveira, explica que a humanização é um processo gradual, que depende de fatores como: valor adequado de recursos, profissionalização da equipe médica, capacitação constante do grupo e valorização do trabalho. “A composição de um quadro efetivo resulta em um suporte para a população, que terá acesso à informação e à orientação sobre a saúde, principalmente no Programa da Saúde da Família, pois foca na prevenção”, afirma.

A ACS Rosana faz acompanhamento domiciliar após cirurgia dos moradores

Atualmente, a temática também está mais presente nas universidades, resultando em um impacto positivo para os futuros profissionais. Carlos Henrique Ferreira Camargo, professor de Bioética do curso de Medicina da UEPG, diz que o conceito humanístico está mais arraigado agora, pois a própria ideia é recente, surgida na década de 90. “A humanização é uma mudança da cultura paternalista que existia na relação médico-paciente. Ou seja, é necessário compreender primeiro na teoria que a saúde e o tratamento devem ser discutidos com o paciente, ao invés de imposto pelo médico”, explica.

Para a professora de Saúde Pública do curso de Enfermagem da UEPG, Ana Paula Xavier Ravelli, a humanização significa incluir o paciente como parte ativa do processo do tratamento, além de levar em consideração o contexto social. “Compreender a realidade das pessoas é entender que, em alguns casos, uma pessoa possui diabetes ou pressão alta por limitações financeiras que afetam as opções alimentares”, exemplifica.

Ana Paula também trabalhou durante seis anos no Programa de Saúde da Família e consegue relacionar a humanização na prática profissional, pois há uma equipe completa, que presta todo o atendimento possível, mas próximo da relação pessoal. “O ciclo vital deve ser o foco da saúde. Ou seja, são as faixas etárias: criança, adolescente, adulto e idoso, que definem o atendimento como um todo integral”, completa. Segundo ela, as discussões do atendimento específico para a mulher ajudaram a definir o ciclo vital como prioridade. “A partir da década de 60, com o movimento feminista, as mulheres tiveram mais espaço para exigir direitos, inclusive na saúde e isso está diretamente ligado à integralidade do atendimento e ao ciclo vital”, afirma.

As visitas duram cerca de 15 minutos e abordam questões de reconsulta, exames e medicamentos

A enfermeira do PSF Eugênio José Bocchi, na Santa Lúcia, Ângela Bonzanini, concorda que o Programa está unido à participação social na saúde. “É uma visão distanciada do atendimento hospitalocêntrico, justamente por ter vindo das exigências da população”, completa.

A humanização é percebida também pelas usuárias do postinho, pois são elas que recorrem ao atendimento com frequência e podem avaliar a situação da saúde no bairro. Carmen Lúcia de Oliveira, de 31 anos, mora na Santa Lúcia há 6 anos e explica que os médicos antes não eram tão atenciosos. “Você chegava no posto e não era atendido de forma satisfatória. Quando saía do consultório, percebia que nem tinha falado nada, pois não dava tempo”, conta.

Ana Rosa Santana, usuária do PSF da Santa Lúcia, de 48 anos, acredita que a qualidade de atendimento afeta diretamente a frequência que os moradores procuram o postinho. “No bairro circula a informação se o médico é atencioso ou não. Se o profissional conversa, dá abertura pra que se fale sobre os sintomas ou às vezes conversa sobre assuntos que a gente nem sabe que afeta a saúde”, conta. Ao ser questionada sobre se conhecia a humanização e poderia defini-la, a partir da sua experiência, Ana Rosa disse que acreditava ser uma prática “de respeito com todas as pessoas, levando em consideração suas próprias histórias e limitações”, finaliza.

Veja na entrevista com Ana Paula Xavier Ravelli a relevância da humanização para a população:

Maria Iolanda de Oliveira aborda as dificuldades de implementação da Humanização:

Antônio Arinaldo Lopes da Silva, gerente do Programa de Saúde da Família em Ponta Grossa, fala sobre a humanização:

Leia também – Programa de Saúde da Família: a humanização como foco

Infográfico: Linha do tempo do Sistema de Saúde no Brasil

Agentes Comunitárias de Saúde: o vínculo entre os moradores e o postinho na Santa Lúcia

O trabalho da ACS é construir uma relação de proximidade com o postinho

O posto do bairro Santa Lúcia conta com uma equipe de atendimento, formada por cinco Agentes Comunitárias de Saúde (ACS). A função das agentes é visitar as casas da região e conversar com a população sobre questões de prevenção. Leia mais

Saúde vai além de não estar doente: as atividades complementares no Santa Lúcia

Uma das atividades do postinho é o Grupo Paradoxo - Adolescentes em Ação

No bairro Santa Lúcia, as Agentes Comunitárias de Saúde (ACS) também contribuem em várias atividades para os moradores, que são organizadas pelo próprio postinho. Leia mais

Programa de Saúde da Família: a humanização como foco

Ponta Grossa possui três tipos diferentes de postos de atendimento à população: as Unidades Básicas de Saúde (UBS), o Programa de Saúde da Família (PSF) e os Centros de Atenção à Saúde (CAS). Cada um deles possui estratégias e tratamentos específicos e estão distribuídos em diferentes áreas da cidade.

As UBS contam com médicos especialistas (como pediatras, ginecologistas, cardiologistas, etc) espalhados aleatoriamente pela cidade. O médico faz as consultas de acordo com a necessidade daquela unidade. O foco é o atendimento assistencial.

Os CAS contam com atendimentos emergenciais, além dos demais que são priorizados por hora de chegada. Ponta Grossa conta com quatro unidades (nos bairros Oficinas, Uvaranas, Nova Rússia, além de outro na região central).

O PSF, por sua vez, tem como objetivo o vínculo do morador com aquela unidade, inclusive com o histórico familiar e atendimento médico com consultas regulares. O médico faz o acompanhamento geral dos exames e, caso necessário, encaminha para outro profissional especialista. A humanização do atendimento está mais presente nesse tipo de unidade.

O diferencial do PSF é a proximidade dos moradores do bairro com o postinho

“O diferencial do Programa de Saúde da Família é a proximidade. O usuário recebe a visita de profissionais em sua casa”, afirma Antônio Arinaldo Lopes da Silva, gerente do Programa em Ponta Grossa. Segundo ele, é a partir da temática de prevenção que a promoção da saúde pode se tornar realidade nos bairros.

Para Isaias Cantoia Luiz, representante da 3a. Regional de Saúde de Ponta Grossa e professor de Políticas de Saúde Pública, é o planejamento das distribuições dos postos de PSF nas regiões periféricas que evita a superlotação nas unidades restantes, como o CAS. “Além da questão da prevenção, o PSF possui um vínculo com o usuário e há uma cobrança direta para que ele permaneça saudável”, completa.

Atualmente, existem vinte e três unidades do PSF, totalizando trinta e nove equipes que atendem comunidades específicas.  “A ideia é que em cada bairro, o posto consiga suprir as necessidades e exigências locais, que são diferentes em outra área”, explica Antônio.

O Programa de Saúde da Família começou em 1992, mas só foi implementado efetivamente em 1994. Tendo como objetivo a melhoria da atenção à saúde básica no Brasil, segundo dados do governo de 2004, atinge cerca de 36% da população. Em Ponta Grossa, são mais de 140 mil pessoas cadastradas no Programa, segundo Antônio.

O PSF possui uma rotina definida, dividida entre atendimentos específicos para: pré-natal, diabetes, hipertensão, idosos, visitas domiciliares, além dos atendimentos emergenciais e as consultas marcadas. As equipes do Programa são formadas por: um médico, uma enfermeira, um dentista, um técnico em enfermagem, um auxiliar de saúde bucal, uma zeladora e o número necessário de Agentes Comunitárias de Saúde. O horário de funcionamento dos PSFs é das 7h ao 12h e da 13h às 16h.

Isaias Cantoia Luiz explica as diferenças dos serviços públicos de saúde:

Antônio Arinaldo Lopes da Silva define o PSF:

Maria Iolanda de Oliveira, professora de Serviço Social, faz a relação entre o PSF e o trabalho das Agentes Comunitárias de Saúde (ACS)

Confira a lista dos postos da cidade e veja qual é o mais próximo de você.

 

Leia mais sobre a importância da humanização do atendimento.

 

Confira o trabalho das agentes de saúde nos bairros Santa Lúcia e Esplanada.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.